segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

14/12/2009 (Segunda-feira)

Hoje realizamos o nosso último encontro do Gestar II. Nos reunimos na sala da biblioteca na escola onde estudamos as unidades 6, 7 e 8 do TP2. Estudamos a frase e sua organização, A arte: formas e função e a Linguagem figurada. Foram desenvolvidas algumas atividades que achamos interessante. A professora cursista colocou da importância dos temas estudados e que pena que não deu tempo para aplicá-los aos alunos, pois o ano letivo está acabando. Decidimos que no próximo ano aplicaremos as atividades do Gestar II já no início do ano letivo com outras turmas também e iremos dar continuidade na socialização dos trabalhos com os demais colegas da escola. Após o estudo do TP2 fizemos um breve comentário de todo o Gestar. A professora cursista colocou do conhecimento que adquiriu em toda a caminhada do Gestar; dedicou muito tempo e estudo para os trabalhos mas que valeu a pena para ela e os alunos também. Percebeu-se do grande progresso que os alunos obtiveram durante o mesmo. Os mesmos procuraram sempre fazer pelo melhor, não medindo esforços se tinham que ir à escola no turno inverso para dedicar mais tempo e se encontrar com os grupos de trabalhos, pois os mesmos moravam em localidades diferentes que era difícil de se encontrar em outros momentos. A nossa escola é um centro regional localizada no interior e atende oito comunidades, inclusive alunos do Bairro e da cidade.

Este encontro durou quatro horas.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

No decorrer de todos os trabalhos desenvolvidos no Gestar II eu e a professora cursista tentávamos sempre que possível socializar as atividades com todos os professores que trabalham na escola para que os mesmos se quisessem aproveitar algumas sugestões para trabalhar com outras turmas. Geralmente, socializávamos as atividades nos encontros que eram feitos uma vez por semana à noite com todos os professores nas reuniões pedagógicas. E uma das atividades que a professora Elisandra Vizzotto que trabalha com a terceira série aproveitou foi o Palanque Literário. Como os alunos haviam participado da Jornadinha de Literatura que acontece na cidade de Passo Fundo a cada dois anos e a nossa escola sempre participa com os alunos de PRÉ à 4ª Série, a mesma aproveitou para desenvolver os trabalhos sobre os livros que os alunos haviam lido. Entre eles: Conto de escola de Machado de Assis; O menino, seu avô e árvore da vida de José Bortolini; O urubu e o sapo e O velho e o tesouro do rei de Sílvio Romero e a Água da vida de Irmãos Grimm. A professora dividiu os alunos dirigindo o livro e solicitou para que cada grupo escolhessem dentre as atividades dadas o que gostariam de fazer sobre a obra lida. Dentre as atividades criaram teatros de fantoches, Telejornal, Poesias e outros teatros. A professora trabalhou durante muitos dias as atividades dando oportunidade aos alunos para produzirem seus trabalhos e sempre que possível fazendo os ensaios. Hoje, a professora fez as apresentações dos grupos para todos os alunos da escola que estudam à tarde de PRÉ à 4ª Série. Em um dos comentários feitos pela professora Elisandra após as apresentações disse para todos os alunos e demais professores que foi um momento muito gratificante e que estava muito feliz por ver seus alunos apresentarem os trabalhos, pois todos se destacaram nas apresentações e conseguiu alcançar os objetivos que esperava.

ALGUMAS DAS APRESENTAÇÕES FEITAS PELOS ALUNOS


TELEJORNAL



TEATRO DE FANTOCHES


POESIA


TEATRO


NÃO DEIXE DE ASSISTIR!!!!ESPETÁCULO DO PALANQUE LITERÁRIO EM VÍDEO

terça-feira, 17 de novembro de 2009

GESTAR EM VÍDEO

video video
17/11/2009 (Sexta-feira)

Nesta manhã, aconteceram as apresentações dos trabalhos realizados pelos alunos das obras lidas. Entre elas: A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini; A Pedra no Sapato do Herói de Orígenes Lessa; A ilha do tesouro de Robert Louis Stevenson; Ubirajara de José de Alencar e o Sofá estampado de Lygia Bojunga Nunes. Os alunos apresentaram diferentes atividades que estavam se organizando e ensaiando durante as aulas e no turno inverso para que fosse desenvolvido da melhor forma possível. Na apresentação dos trabalhos convidamos a Coordenadora do Curso, a professora Ezequiela Maria Ferronato para assistir e fazer a filmagem dos trabalhos. Foi um trabalho que exigiu muito esforço e dedicação por parte dos alunos, pois cada grupo tinha que usar a criatividade para realizar a parte oral e escrita. Percebi que os alunos estavam bem interessados em todo o decorrer da organização e ensaios. Foi um trabalho diferente que aconteceu pela primeira vez na escola onde os alunos tiveram que dedicar tempo, pois teve grupos que tiveram que se deslocar em outros lugares para fazer algumas filmagens para os trabalhos.



24/11/2009 (Terça-feira)

Depois de se ter trabalhado com a professora cursista a unidade 4 do TP1 sobre a intertextualidade, havíamos planejado que nesta aula seria trabalhado sobre paródias de provérbios. Hoje, no início da aula a professora trabalhou com algumas interpretações de “Paródias de provérbios” que se encontram na aula 5 dentro da unidade 4 do AAA1 atividade 1 à 13 da P.107 à 111. Após as interpretações, os alunos em duplas, foram sorteados recebendo dois provérbios cada para criar uma paródia de provérbio e também uma ilustração que tem ligação com o texto. Os provérbios trabalhados foram os seguintes:
De grão em grão a galinha enche o papo
Devagar se vai ao longe
Quem espera, sempre alcança
Uma mão lava a outra, e as duas lavam o resto
É de pequenino que se torce o pepino
Águas passadas não movem moinhos
A voz do povo é a voz de Deus
Quem com ferro fere, com ferro será ferido
Deus ajuda quem cedo madruga
Amigos, amigos; negócios à parte

AQUI MOSTRA ALGUNS DOS TRABALHOS REALIZADOS; OS DEMAIS SE ENCONTRAM JUNTO COM O PORTIFÓLIO DA CURSISTA







27/11/2009 (Sexta-feira)

Dando continuidade aos trabalhos, a professora fez a distribuição dos Clássicos infantis para os grupos lerem e fazerem a análise dos personagens, espaço, tempo, personalidade, aparência física, ações; Após cada grupo começou a realizar a nova versão de cada história que recebeu. Foram trabalhados os seguintes clássicos infantis:
Chapeuzinho Vermelho
O Príncipe Encantado
Aladim
A Bela Adormecida
Peter Pan
Branca de Neve
Rapunzel
João e Maria
O Gato de Botas
A Bela e a Fera
O Patinho Feio

27/11/2009 (Sexta-feira)

Hoje, pela parte da tarde realizamos mais um encontro para a socialização dos trabalhos realizados. Em primeiro lugar analisamos o trabalho que os alunos apresentaram no Palanque Literário. Achamos um dos trabalhos muito importante, pois todos os alunos de formas diferentes apresentaram as atividades. Este também foi um dos trabalhos onde o aluno desenvolveu a expressão corporal, oralidade e a escrita. Conversando com a professora cursista, ficamos gratificadas com o trabalho dos alunos, pois alguns sanaram certos problemas de se apresentarem ao público devido a timidez. Após o trabalho feito, deu para perceber que dando oportunidade aos alunos e exigindo deles, os mesmos tem condições de fazer maravilhosos trabalhos desenvolvendo e ampliando a capacidade de cada um. Analisamos e avaliamos o trabalho de cada grupo a parte oral que apresentaram e a parte escrita.
Após conversamos a respeito dos trabalhos que os alunos realizaram sobre paródias de provérbios; a cursista mostrou-me os trabalhos e fizemos a análise de cada um. Mais uma vez ficamos gratificadas pelo empenho e criatividade que os alunos demonstraram nas atividades realizadas. A professora colocou também sobre a atividade que os alunos iniciaram hoje pela parte da manhã. Cada grupo leu a sua história fazendo a análise solicitada. Iniciaram a nova versão da história e darão continuidade na próxima aula que será na próxima terça-feira. Combinamos para que na próxima terça-feira pela parte da tarde iremos fazer um encontro para socializarmos os trabalhos dos alunos e estudarmos a unidade 5 do TP2 Gramática: seus vários sentidos. A professora já leu todo este TP e iremos estudá-lo. As atividades com os alunos estão encerrando, pois o ano letivo está acabando e com certeza daremos continuidades dos trabalhos no próximo ano com outras turmas. Muitos trabalhos foram realizados com outras turmas e com outras professoras, pois sempre que foi possível divulgávamos os trabalhos para que as demais colegas
pudessem adaptar e aplicar com os seus alunos. Na próxima semana divulgarei um dos trabalhos que a professora da 3ª série está trabalhando com os seus alunos. Este encontro durou 4 horas.
AQUI MOSTRA OS ALUNOS REALIZANDO OS TRABALHOS




01/12/2009 (Terça-feira)


Em primeiro lugar analisamos todos os trabalhos dos alunos que terminaram de concluir pela parte da manhã. Além da escrita cada grupo ilustrou o seu trabalho. A cada trabalho que líamos fazíamos uma avaliação do progresso de cada aluno no desenrolar das atividades do Gestar. Percebemos da grande mudança que os alunos tiveram até o momento. Tomara que estes alunos continuem se desempenhando em outras escolas que irão estudar, pois os mesmos estão se formando e nossa escola não tem 2º grau para dar continuidade a este programa. Após a socialização dos trabalhos, estudamos a unidade 5 do TP2 Gramática: seus vários sentidos; as seções 1, 2 e 3. Discutimos toda esta unidade e ficamos para conversar na escola o próximo encontro. Este encontro durou 4 horas.




sábado, 14 de novembro de 2009

06/11/2009 (Sexta-feira)

Nesta tarde, fizemos o 4º encontro para socializarmos as atividades que estão sendo desenvolvidas com os alunos e iniciarmos o estudo do TP1. A cursista colocou que os alunos estão realizando a leitura dos livros com muito interesse e estão se preparando para que na próxima terça-feira, os grupos se reúnem para dar início aos trabalhos. Decidimos como será feita a apresentação dos trabalhos no dia 17 de novembro. Iremos preparar dentro da sala de aula um palco, onde será confeccionado um painel de fundo com os desenhos da capa do livro de cada grupo. Após fizemos o estudo da unidade 1 Variantes lingüísticas: dialetos e registros, as Inter-relações entre Línguas e culturas, os dialetos do Português e os registros do Português do TP1. Analisamos as gírias e os dialetos que ocorrem na nossa escola. O encontro durou 4 horas.

10/11/2009 (Terça-feira)

Neste encontro estudamos as unidades 2, 3 e 4 do TPl .Variantes lingüísticas, o texto como centro das experiências no ensino da Língua e a Intertextualidade. Analisamos a maioria dos textos e fizemos a identificação dos traços da intertextualidade em nossa interação cotidiana . O encontro durou 4 horas. Deixamos marcado o encontro para a próxima sexta-feira. Neste dia iremos preparar atividades do TP1 para ser aplicados com os alunos.

13/11/2009 (Sexta-feira)

Hoje nos reunimos para prepararmos as atividades que serão aplicadas com os alunos dentro do Tp1. Escolhemos dentro da unidade 4, A intertextualidade a aula , Paródias de Provérbios, no caderno de atividades de apoio à aprendizagem, versão do aluno, que se encontra na p. 107 à 112. A professora cursista irá desenvolver o trabalho de duplas. Este trabaho será aplicado no dia 24 de novembro. Após irá distribuir as histórias para fazer o estudo dos clássicos para dar continuidade no dia 27. Neste dia fará uma análise sobre os personagens, espaço, tempo, personalidade, Aspectos físicos, ações, etc. Neste dia construirão um texto fazendo uma nova versão de cada história. Foram escolhidos os seguintes livros para o trabalho:
Chapeuzinho Vermelho
Os três porquinhos
Branca de Neve
Cinderela
Rapunzel
João e Maria
O Gato de Botas
A Princesa e o Sapo
A Bela e a Fera
O Patinho Feio

E para finalizar assistimos o Filme Vida Maria e fizemos a análise do mesmo. Este encontro durou 4 Horas.
12/11/2009 (Quinta-feira)
ALUNOS PREPARANDO OS TRABALHOS PARA SEREM APRESENTADOS NA PRÓXIMA TERÇA-FEIRA

13/11/2009 (Sexta-feira)

AQUI MOSTRA OS ALUNOS CASSIANO E MATHEUS DESENHANDO E PINTANDO AS CAPAS DOS LIVROS PARA SEREM EXPOSTOS NO PAINEL. VIERAM NO TURNO INVERSO PARA PREPARAR O AMBIENTE PARA AS EXPOSIÇÕES DOS TRABALHOS

FOI CONSTRUIDO PELOS ALUNOS UM PALCO PARA AS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS (PROFESSORA FORMADORA AUXILIOU OS TRABALHOS)

OBS: Gostaria de esclarecer que a data referente as últimas fotos não estão certas. A escola adquiriu uma máquina fotográfica e por descuido não foi feita a configuração da máquina.

domingo, 8 de novembro de 2009

27/10/2009 (terça-feira)


Nesta manhã, a professora levou material para a sala de aula para estudar a origem da Festa dos Reis no Brasil. Após ter feito o estudo, a professora mostrou através de vídeos alguns lugares onde é comemorado a Folia dos Reis, para que os alunos compreendessem que cada região é comemorado de uma maneira diferente. Em seguida, cada aluno produziu o seu texto sobre a origem da Festa.

29/10/2009 (Quinta-feira)

Dando continuidade aos trabalhos sobre a origem da Festa dos Reis, hoje pela parte da manhã, foi trabalhado sobre a origem desta festa no Município. Para se tornar uma aula bem produtiva, convidamos um dos integrantes que faz parte deste grupo há muitos anos, o Sr. Américo Bavaresco para que pudesse ir até a escola para contar como surgiu a Folia dos Reis. Foi muito interessante, pois os alunos tiveram a oportunidade de resgatar mais uma festa que não conheciam dentro do Município. É uma festa muito bonita, onde as pessoas se reúnem passando de casa em casa cantando músicas para alegrar as famílias. Após ter contada toda a história, o Sr. Américo cantou a música aos alunos parando a cada verso explicando o significado. Muitas curiosidades foram surgindo e várias perguntas foram feitas pelos alunos. Foi distribuída a música a cada um para que pudessem cantar juntos. Para finalizar, a professora cursista solicitou a cada aluno que produzisse o seu texto depois de ter ouvido a história.
Será selecionado o melhor texto para divulgar no jornal “Folha da Produção” que circula no Município.

O SR. AMÉRICO CANTANDO A MÚSICA



ACOLHIDA FESTA DOS REIS


1- E agora mesmo cheguemo


Na beira do seu terreiro




2- É pra cantar os nossos reis


No dia 06 de janeiro




3- Viva o cravo e viva a rosa


E viva a flor da sanfonia




4- É pra acordar quem está dormindo


E alegrar quem está doente




5- Meu senhor dono da casa


Faz favor abrir a porta




6- Abre-te porta de aço


Fechadura de marfim




7- Esta porta é tão pequena


E tão custosa de abrir




8- Estou vendo por uma fresta


Um sinal de luz acesa




9- E porta aberta e luz acesa


É sinal de alegria




10- Ó senhor dono da casa


Nosso terno está cansado




11- E entra, entra meu terno


E entra toda companhia




12- Eu agradeço meu Senhor


E passa bem o ano novo




ESTE BARBA DE FARELO


ESTE NÃO TEM NADA PRA NOS DAR

ALUNOS CONCENTRADOS ESCUTANDO A HISTÓRIA


CADA VERSO DA MÚSICA ERA EXPLICADO


29/10/2009 (Quinta-feira)

Nesta manhã, após realizada as atividades, recebemos a visita da professora formadora de Matemática do município de Barra Funda, juntamente com a Coordenadora Pedagógica Ezequiela Maria Ferronato para conversarmos sobre o andamento das atividades. Conversamos com as cursistas de Matemática e Português que estão aplicando o Gestar II na nossa escola. Ficamos felizes, pois dentro do possível estamos trabalhando e conseguindo ótimos resultados.

ENCONTRO DA COORDENADORA PEDAGÓGICA , FORMADORAS E CURSISTAS.




30/10/2009 (Sexta-feira)

Hoje a professora cursista e os alunos da 8ª série fizeram uma manhã diferente na escola. Apresentaram diferentes atividades para comemorar o dia do Halloween à todos os alunos da escola. Durante a semana, no turno inverso, a professora Marcela e a professora Noeli juntamente com os alunos prepararam um ambiente diferente com linda ornamentação e ensaios das atividades a serem apresentadas. Entre elas a origem do Halloween, símbolos presentes nesta data e um teatro com o título “A feiurinha”. Também teve a participação do saci-pererê para alegrar a criançada. Pela parte da manhã, os alunos de 5ª, 6ª e 7ª foram assistir as apresentações , uma turma de cada vez e com a culminância a apresentação do teatro. Pela parte da tarde, os alunos apresentaram para as crianças de PRÉ à 4ª série.

ALGUMAS DAS ATIVIDADES QUE OS ALUNOS APRESENTARAM

A palavra Halloween tem origem na Igreja católica. Vem de uma corrupção contraída do dia 1 de novembro, "Todo o Dia de Buracos" (ou "Todo o Dia de Santos"), é um dia católico de observância em honra de santos. Mas, no século V DC, na Irlanda Céltica, o verão oficialmente se concluía em 31 de outubro. O feriado era Samhain, o Ano novo céltico. Alguns bruxos acreditam que a origem do nome vem da palavra hallowinas - nome dado às guardiãs femininas do saber oculto das terras do norte (Escandinávia).
O Halloween marca o fim oficial do verão e o início do ano-novo. Celebra também o final da terceira e última colheita do ano, o início do armazenamento de provisões para o inverno, o início do período de retorno dos rebanhos do pasto e a renovação de suas leis. Era uma festa com vários nomes: Samhain (fim de verão), Samhein, La Samon, ou ainda, Festa do Sol. Mas o que ficou mesmo foi o escocês Hallowe'en.
Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte. Os celtas acreditaram em todas as leis de espaço e tempo, o que permitia que o mundo dos espíritos se misturassem com o dos vivos.
Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir, (Panati).
Os Romanos adotaram as práticas célticas, mas no primeiro século depois de Cristo, eles as abandonaram.
O Halloween foi levado para os Estados Unidos em 1840, por imigrantes irlandeses que fugiam da fome pela qual seu país passava e passa ser conhecido como o Dia das Bruxas.
Travessuras ou Gostosuras?(Trick-or-treat)
A brincadeira de "doces ou travessuras" é originária de um costume europeu do século IX, chamado de "souling" (almejar). No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas, os cristãos iam de vila em vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha.
Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador. Acreditava-se que as almas permaneciam no limbo por um certo tempo após sua morte e que as orações ajudavam-na a ir para o céu.
Abóboras e velas: Jack O'Lantern (Jack da Lanterna)
A vela na abóbora provavelmente tem sua origem no folclore irlandês. Um homem chamado Jack, um alcoólatra grosseiro, em um 31 de outubro bebeu excessivamente e o diabo veio levar sua alma. Desesperado, Jack implora por mais um copo de bebida e o diabo concede. Jack estava sem dinheiro para o último trago e pede ao Diabo que se transforme em uma moeda. O Diabo concorda. Mal vê a moeda sobre a mesa, Jack guarda-a na carteira, que tem um fecho em forma de cruz. Desesperado, o Diabo implora para sair e Jack propõe um trato: libertá-lo em troca de ficar na Terra por mais um ano inteiro. Sem opção, o Diabo concorda. Feliz com a oportunidade, Jack resolve mudar seu modo de agir e começa a tratar bem a esposa e os filhos, vai à igreja e faz até caridade. Mas a mudança não dura muito tempo, não.
No próximo ano, na noite de 31 de outubro, Jack está indo para casa quando o Diabo aparece. Jack, esperto como sempre, convence o diabo a pegar uma maçã de uma árvore. O diabo aceita e quando sobe no primeiro galho, Jack pega um canivete em seu bolso e desenha uma cruz no tronco. O diabo promete partir por mais dez anos. Sem aceitar a proposta, Jack ordena que o diabo nunca mais o aborreça. O diabo aceita e Jack o liberta da árvore.Para seu azar, um ano mais tarde, Jack morre. Tenta entrar no céu, mas sua entrada é negada. Sem alternativa, vai para o inferno. O diabo, ainda desconfiado e se sentindo humilhado, também não permite sua entrada. Mas, com pena da alma perdida, o diabo joga uma brasa para que Jack possa iluminar seu caminho pelo limbo. Jack põe a brasa dentro de um nabo para que dure mais tempo e sai perambulando. Os nabos na Irlanda eram usados como seu "lanternas do Jack" originalmente. Mas quando os imigrantes vieram para a América, eles acharam que as abóboras eram muito mais abundantes que nabos. Então Jack O'Lantern (Jack da Lanterna). na América passa a ser uma abóbora, iluminada com uma brasa. Sua alma penada passa a ser conhecida como Jack O'Lantern (Jack da Lanterna). Quem presta atenção vê uma luzinha fraca na noite de 31 de outubro. É Jack, procurando um lugar.enganara Satã ao subir uma árvore. Jack então esculpiu uma imagem de uma cruz no tronco da árvore, prendendo o diabo para cima a árvore. Jack fez um acordo com o diabo, se ele nunca mais o tentasse novamente, ele o deixaria árvore abaixo. De acordo com o conto de povo, depois de Jack morrer, ele a entrada dele foi negada no Céu, por causa de seus modos de malvado, mas ele teve acesso também negado ao Inferno, porque ele enganou o diabo. Ao invés, o diabo deu a ele uma brasa única para iluminar sua passagem para a escuridão frígida. A brasa era colocada dentro de um nabo para manter por mais tempo. Os nabos na Irlanda eram usados como seu "lanternas do Jack" originalmente. Mas quando os imigrantes vieram para a América, eles acharam que as abóboras eram muito mais abundantes que nabos. Então o Jack O'Lantern (Jack da Lanterna), na América, era em uma abóbora, iluminada com uma brasa.


Bruxas
As bruxas têm papel importantíssimo no Halloween. Não é à toa que ela é conhecida como "Dia das Bruxas" em português. Segundo várias lendas, as bruxas se reuniam duas vezes por ano, durante a mudança das estações: no dia 30 de abril e no dia 31 de outubro. Chegando em vassouras voadoras, as bruxas participavam de uma festa chefiada pelo próprio Diabo. Elas jogavam maldições e feitiços em qualquer pessoa, transformavam-se em várias coisas e causavam todo tipo de transtorno.
Diz-se também que para encontrar uma bruxa era preciso colocar suas roupas do avesso e andar de costas durante a noite de Halloween. Então, à meia-noite, você veria uma bruxa!
A crença em bruxas chegou aos Estados Unidos com os primeiros colonizadores. Lá, elas se espalharam e misturaram-se com as histórias de bruxas contadas pelos índios norte-americanos e, mais tarde, com as crenças na magia negra trazidas pelos escravos africanos.
O gato preto é constantemente associado às bruxas. Lendas dizem que bruxas podem transformar-se em gatos. Algumas pessoas acreditavam que os gatos eram os espíritos dos mortos. Muitas superstições estão associadas aos gatos pretos. Uma das mais conhecidas é a de que se um gato preto cruzar seu caminho, você deve voltar pelo caminho de onde veio, pois se não o fizer, é azar na certa.

Alguns significados simbólicos
a abóbora: simboliza a fertilidade e a sabedoria
a vela: indica os caminhos para os espíritos do outro plano astral.
o caldeirão: fazia parte da cultura - como mandaria a tradição. Dentro dele, os convidados devem atirar moedas e mensagens escritas com pedidos dirigidos aos espíritos.
a vassoura: simboliza o poder feminino que pode efetuar a limpeza da eletricidade negativa. Equivocadamente, pensa-se que ela servia para transporte das bruxas.
as moedas: devem ser recolhidas no final da festa para serem doadas aos necessitados.
os bilhetes com os pedidos, devem ser incinerados para que os pedidos sejam mais rapidamente atendidos, pois se elevarão através da fumaça.
a aranha - simboliza o destino e o fio que tecem suas teias, o meio, o suporte para seguir em frente.
o morcego - simbolizam a clarividência, pois que vêem além das formas e das aparências, sem necessidades da visão ocular. Captam os campos magnéticos pela força da própria energia e sensibilidade.
o sapo - está ligado à simbologia do poder da sabedoria feminina, símbolo lunar e atributo dos mortos e de magia feminina.
gato preto - símbolo da capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade. Plena harmonia com o Unirverso
Cores:
Laranja - cor da vitalidade e da energia que gera força. Os druidas acreditavam que nesta noite, passagem para o Ano Novo, espíritos de outros planos se aproximavam dos vivos para vampirizar a energia vital encontrada na cor laranja.
Preto - cor sacerdotal das vestes de muitos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes em geral. Cor do mestre.
Roxo - cor da magia ritualística

03/11/2009 (Terça-feira)
Nesta aula a professora cursista formou os grupos de alunos para realizarem o próximo trabalho. Distribuiu os livros para que os alunos fossem lendo e explicou os passos do trabalho que irão apresentar no Palanque Literário, no próximo dia 17 de novembro.Deverão escolher um dos recursos dados escolhendo algum aspecto do livro como a capa, o tema, o título, os comentários, o início da história, a ilustração, etc para realizar o trabalho. Dentre os recursos poderão escolher;
Apresentação oral:
Cantar uma música criada pelo aluno. A letra poderá recontar a história ou parodiar um episódio relevante.
Imitar um programa de rádio, um programa de rádio; uma propaganda da TV, um telejornal, um quadro humorístico, etc.
Declamar um poema.
Dramatizar cenas da história.
Parodiar uma conversa sobre o livro.
Contar a história com fantoches no palito.
Contar a história com elementos (objetos, miniaturas, brinquedos e bugigangas).
Apresentação escrita:
Fazer cartazes ilustrados
Fazer uma propaganda escrita
Produzir um jornal impresso sobre a história (pequenos episódios)
Escrever uma carta à rádio para falar do livro.
Durante a semana os alunos farão a leitura do livro e na próxima semana farão ensaios para as apresentações.